A CONCEPÇÂO

Já faz algum tempo que venho notado essa predominância de energia na sala de aula, uma vez que na posição de quem ensina, tenho o privilegio de poder observar a pratica de uma visão panorâmica mas ao mesmo tempo com um olhar mais profundo no sentido de me questionar o que eu, como professor quero ensinar através dos asanas.  Pois antes de professor, sou um praticante diário e devoto de uma ferramenta que vem transformado minha vida a cada dia.

Tenho a sensação de que a cada vez que estico o tapete, coloco um tijolo na parede da minha história. E assim construindo um pilar, posso ser resistente não só para a realidade do cotidiano e responsabilidade da vida, mas ao mesmo tempo, sensível para perceber a beleza e profundidade na sutileza do espírito, em mim e no próximo e principalmente no ambiente ao meu redor. Praticar ashtanga yoga é um presente a si mesmo, todos os dias.

Reparo que grande parte dos alunos assim como eu, não chega apenas intoxicados devido aos hábitos alimentares, mas principalmente a intoxicação mental de padrões que são inseridos no mecanismo sócio cultural em que vivemos. Padrões esses como a pressa de chegar, o imediatismo de ter agora,  não respeitar o momento presente, e a falta de compreensão de que o efeito terapêutico da pratica de yoga vem com o tempo e dedicação.

Sa tu dīrghakāla nairantarya satkāra-Adara-āsevito dr̥ḍhabhūmiḥ 

O sucesso pode ser alcançado através da prática contínua ao longo de um período prolongado de tempo, realizada de uma maneira séria e sensata.  YS 1.14

Muitas vezes me deparo em sala de aula numa energia em que aos praticantes estão sedentos por conseguir mais posturas e suplantar a situação atual do seu corpo, como se o avanço dependesse da quantidade de asanas. Assim eles exercitam o alongamento, mas cultivam  internamente uma falta de presença para observar sua respiração e estar presente no momento presente.

Convenhamos que a prática de ashtanga yoga possui uma abordagem física, mas o asana é a ferramenta do cultivo interno, e a ferramenta de lapidação. É o meio que nos mostra nossa condição hoje, e assim aos poucos, estando presentes através da respiração diariamente (tapah), vamos se auto observando e estudando (svadhyaya), para que possamos a cada dia se entregar mais para o Divino (ishvara -pranidhana).

Essa é grande equação em que patanjali nos presenteia em seus ensinamentos. Yoga sutra capitulo 2, verso 1.

Quando canto o mantra inicial com os alunos em aula, venho cultivado no meu coração o pedido ao grande legado de mestres dessa corrente milenar do yoga, que possa me dar maturidade de ensino para embargar de energia transformadora essa pratica tão rica e profunda.

A cada dia quando estico o tapete, diferentes sensações e pensamentos inundam minha mente poluída e devaneia, e no final, ao enrolar o tapete, junto com a paz, vem a gratidão por mais uma oportunidade de autoconhecimento e crescimento.

O motivo pelo qual venho compartilhar minhas idéias nesse texto, é para que de alguma forma os alunos possam se abrir mais ao que realmente é importante nos asanas, pois o alongamento e avanço na série é um resultado secundário uma vez que o maior beneficio é a conexão, yoga!

Num primeiro momento essa conexão pode ser com o desconforto físico, logo após com a respiração e contrações (bandhas) e o drisht (foco ocular) também é um grande colaborador para tirar a atenção do externo. E assim com o exercício de conexão diário, o praticante cultiva sua comunhão com o divino dentro de suas verdades. A pratica é completa, dos yamas (observações externas) e nyamas (observações internas) até samadhi o transe. Tudo acontece ao mesmo tempo, mas de uma forma vagarosa e com neblina devido as nossas contaminações e padrões (sanskaras). Mas a lapidação por um longo tempo nos da a oportunidade de se aproximar do ideal e desconstruir o ego e simplesmente respirar e estar presente no agora, presenciar a profundidade de cada momento e relação, a oportunidade de servir e amar sem anseio de troca, a espontaneidade de ser feliz pelo que se é.

Vamos praticar…

Junior (Jay Gauranga)

Anúncios