Dor ou sensação de abertura?

Yoga é constituído de inúmeros conceitos que geram desdobramento e concepções mais profundos conforme o praticante adquire realização.

Na pratica de ashtanga vinyasa yoga é importante esclarecer a diferença entre “dor” e “sensação de abertura”, sensação essa que não necessariamente é confortável, ou até mesmo bem desagradável, mas é nesse momento de desconforto que mora uma grande oportunidade de crescimento e auto-conhecimento. Entendendo que as séries do ashtanga leva o aluno a ganhar espaço no corpo para maior fluidez energética, os caminhos que os asanas abrem quase sempre nos colocam nessa “sensação de abertura” resultando em dor e algumas vezes situações de emoção profunda.

Geralmente viemos de uma cultura que nos leva a ser imediatistas e frágeis. Esses aspectos estão diretamente ligados a falta de integridade não só espiritual, mas principalmente emocional.

Venho reparado que após um tempo de disciplina em esticar o tapete diariamente e praticar, o praticante é levado em um estado de força física e interior gerando essa integridade na qual foi falada acima. Isso é um aspecto muito relevante devido à necessidade de estar sempre forte e disposto para enfrentar o que a vida nos traz para suplantar e vencer.

Pois a complexidade dos asanas nas series avançadas, são propositais, não são gratuitos. Os vinyasas preparam o corpo, os asanas criam fundações para ganhar espaço; assim o yoga ajuda a  resolver questões e adentrar dentro de si mesmo, pois sempre existe jóias a serem descobertas no âmago do nosso ser. Shanti..

Junior (jay Gauranga)

 

Anúncios

Praticar, cantar e ser feliz…

Compreender a essência do yoga é como querer compreender o motivo da criação, além de instigante é complexo e profundo, porém o que está no nosso alcance hoje é, o que podemos enxergar e tocar nesse momento presente! A aceitação de quem somos hoje é uma prova de que somos capazes de ter paciência e respeito pelo processo natural, pois assim ficamos menos vulneráveis as frustrações.

O esticar o tapete e aquecer o corpo através dos asanas diariamente são um exercício de lidar com nossas próprias limitações e principalmente superações, assim galgamos a saúde e bem estar por uma vida melhor e mais favorável a sanidade espiritual.

A atitude de pegar as contas (japa-mala) na manhã, se sentar e cantar o mantra repetidas vezes é a conexão com uma energia que está além da compreensão racional, vem do coração, é a fé, que se fortifica pelo habito de ser feliz na simplicidade, na calmaria, no relacionar consigo mesmo e é claro com Deus.

Om  Tat sat

Por: Junior (Jay Gauranga)

A Busca pela Bem-Aventurança Eterna

536290_4558216036409_806840838_n

Por: Bhakti-tirtha Swami

Um ponto chave enfatizado em escrituras de diferentes caminhos é o desenvolvimento de nossa relação com Deus. Infelizmente, as pessoas frequentemente têm informação limitada sobre o objeto de seu amor – o que Deus gosta e não gosta, Suas atividades, Sua morada – e como se conectar com o Senhor. Existe disponível muita e detalhada informação sobre esses tópicos, e nós iremos compartilhar um pouco dela nesta discussão. Fique bem atento; serão expostas certas coisas que irão emergir posteriormente em sua consciência, nos momentos em que forem mais necessárias.

Quatro Caminhos Universais

Como nos conectamos com a meta suprema? Que caminho nos levará de volta ao lar? Para começar, todos os caminhos caem em quatro categorias filosóficas: materialismo, niilismo, impersonalismo e personalismo. É importante manter em mente essas quatro escolas de pensamento conforme examinamos o que está dentro do universo material, o que está fora do universo material, e o que está no reino espiritual.

A filosofia do materialismo é basicamente uma filosofia ateísta. O materialismo sustenta que um ser humano não passa de uma entidade física sem alma. A existência é simplesmente uma questão de estar em diferentes ambientes, que produzem uma personalidade correspondente. A vida é vista como uma questão de simplesmente comer, dormir, procriar e se defender, ou, como declarado por Charles Darwin, sobrevivência dos mais aptos. Essa filosofia produz um egoísmo grosseiro, e se baseia em exploração e manipulação, em vez de uma vida em harmonia com a natureza. Esta é a filosofia ateísta que as forças de opressão adotam e tentam propagar ao redor do mundo.

Em segundo, há a filosofia do niilismo. De acordo com esta filosofia, o envolvimento material produz ansiedade, relacionamentos materiais trazem dor, e buscas materiais causam estresse, frustração e depressão. Esta ideia está profundamente conectada com a filosofia do budismo, na qual a meta é tentar alcançar o nirvana: liberdade do ego, liberdade de um foco no mundo material e liberdade do bombardeio de interferências sensuais. Esta filosofia nos diz o que a realidade não é, mas tem pouca informação sobre o que a realidade é.

A terceira filosofia é a do impersonalismo. O impersonalismo nos retira da região material e nos põe na consciência cósmica, ou samadhi. Nesta consciência, as pessoas experimentam a universalidade de toda a criação e sentem certa unidade com Deus, pensando que elas mesmas são Deus. O foco é em se fundir na energia de Deus e se tornar uno com a luz de Deus. A filosofia do impersonalismo tenta abranger todos os elementos materiais básicos, mas explica apenas uma dimensão da Divindade, sendo, portanto, incompleta. Ela mostra como somos unos com Deus, mas negligencia totalmente a explicação de como somos diferentes de Deus, e isto é essencial. É esta diferença que experimentamos, e que prevalece como fundamental para o desenvolvimento espiritual. Se somos diferentes de Deus, então podemos desenvolver uma atitude de serviço a Ele. Do contrário, o serviço amoroso se torna um tanto impossível.

A filosofia do personalismo reconhece que o materialismo traz dor e confusão, mas que uma pessoa deve superar essas dificuldades e tornar-se livre do bombardeio sensual. A filosofia do personalismo inclui aspectos do materialismo, do niilismo e do impersonalismo. Mas ela vai além. Ela reconhece que há certas atividades que não são materiais.

Consideremos uma analogia. Um homem tem uma cavidade que está lhe causando dor de dente. Ele não consegue nem mesmo apreciar o cheiro da comida sem que seu dente doa. O materialismo é como um dente dolorido; ele causa muita dor e sofrimento. O homem tenta superar a dor mentalmente e também toma medicação, a qual interrompe a dor por um tempo. Este nível é como o niilismo: apesar de ele estar livre da dor causada pelo dente, seu estado é, na melhor das hipóteses, de neutralidade. Conforme o homem se foca em desfrutar o aroma da comida, ele está num nível parecido com o impersonalismo; ele pode desfrutar da energia da comida. Uma vez que o homem muda de ideia e vai ao dentista e fica curado da dor de dente, não apenas ele pode cheirar a comida, mas pode, de fato, desfrutar de comê-la. Este nível é análogo ao personalismo. A eliminação da causa que gerava seu sofrimento permite a ele ter um relacionamento direto com a comida. Às vezes, quando nos encontramos em uma situação ruim, pensamos que “positivo” significa a eliminação do negativo. No entanto, acabar com nossa situação material negativa é apenas o início. O estágio seguinte é encontrar alguma ocupação espiritual positiva para substituir a atividade material.

Personalismo versus Impersonalismo

Concepções pessoais automaticamente contêm a compreensão impersonalista e vão além dela. O Senhor Supremo, sendo absoluto, pode existir pessoal e impessoalmente ao mesmo tempo. Existem três energias básicas do Divino: a energia externa, que mantém o universo material; a energia marginal, que é feita das entidades vivas; e a energia interna, que mantém o mundo espiritual. Devido ao nosso condicionamento, tendemos a ver o espiritual como o oposto do material. Para nós, material significa forma, logo espiritual deve significar amorfo. Material significa ativo, logo espiritual significa destituído de atividade. De maneira a alcançarmos uma verdadeira compreensão das atividades no mundo espiritual, devemos deixar essas ideias erradas de lado. Através do amor e da devoção, podemos ultrapassar a abordagem impessoal de Deus após muitas e muitas vidas nesta consciência cósmica. Nós, então, finalmente obtemos uma oportunidade de entrar em contato com as atividades extraordinárias do mundo espiritual.

O mundo espiritual é nosso habitat natural. Os grandes professores estão constantemente nos falando sobre uma existência além desta que percebemos. Eles estão ansiosos para nos mostrar os meios para recuperarmos este precioso estado que perdemos. Por muitas vidas, a alma tem vagado dentro e fora de muitos ambientes e situações, inconscientemente desesperada por associação espiritual.

Quando proferimos a oração “Pai nosso que estais no céu, santificado seja o Vosso nome, vem a nós o vosso reino, seja feita a Vossa vontade, assim na Terra como no céu”, compreendemos que o mundo material é um reflexo do mundo espiritual. O mundo material é, na verdade, um reflexo pervertido da realidade. No mundo material, temos muitos tipos de interações, mas elas são limitadas, dolorosas e, finalmente, frustrantes. No reino espiritual, nosso relacionamento é com o Senhor, e nossas atividades são sempre novas. Cada segundo no mundo espiritual torna-se um momento de prazer superior.

Há duas divisões principais no reino espiritual. Há o brahmajyoti, o qual às vezes é referido como a luz ou a refulgência, e há os planetas espirituais, onde as diferentes manifestações do Senhor e de Seus devotos residem. Está presente ali o aspecto pessoal de Deus. Alguns de vocês continuam buscando unidade, a luz impessoal, e a oportunidade de se fundirem com o Supremo. Este desejo se deve a certa contaminação material. É a primeira fase que experimentamos conforme começamos a nos conectar com a consciência superior. Conforme experimentamos a unidade cósmica, podemos ficar tão intoxicados e felizes que concluímos falsamente que não existe nada superior. Este é o nosso primeiro grande erro. Essas experiências são prazerosas, mas também são limitadas. Além da consciência cósmica está a oportunidade de intercâmbio pessoal com o Senhor.

“Liberação” é um termo frequentemente utilizado nas escolas de pensamento impersonalista – liberação do mundo material para tornar-se uno com Deus, ou até mesmo tornar-se Deus. Novamente, nossa meta deve estar além da liberação. Nós devemos ser liberados incontáveis vezes antes de termos uma chance de realmente entrar no reino de Deus. Devemos viajar por muitas vidas e pagar impostos enormes – buscar austeridades, religiosidade e espiritualidade de diversos tipos – para irmos além da plataforma da liberação.

Há uma fase intermediária de desenvolvimento na qual somos capazes de nos associarmos com uma forma individual de Deus, localizada na região do coração de cada ser vivo; este aspecto de Deus é conhecido como o paramatma. Esta é uma “unidade” superior, que é mais localizada e mais pessoal, um estágio que grandes iogues aspiram alcançar através de suas práticas ióguicas. Nós podemos então avançar espiritualmente em direção à associação suprema última com o Senhor Supremo no mundo espiritual.

Voltando à analogia da dor de dente, uma vez que o cheiro da comida permeia o nariz de uma pessoa, o desejo de comer a comida irá, cedo ou tarde, tornar-se a meta mais desejada. Essa pessoa irá então tentar obter a comida e desfrutar dela de todas as maneiras possíveis. Similarmente, o impersonalismo eventualmente levará ao personalismo. A questão é: pegaremos a rota longa e lenta do desfrute dos sentidos ou a rota direta e rápida da rendição à vontade do Senhor? A segunda opção concede prazer eterno.

Ashtanga yoga e o caminho da purificação

O Yoga é o caminho da purificação e da transformação. Isso significa que podemos esperar por muitas mudanças físicas, mentais e emocionais no decorrer de nossa prática.

Geralmente, todo tipo de movimento de transição em nossa prática vai dos aspectos mais grosseiros de nós mesmos aos mais sutis. O significado disso é que tendemos a passar mais por mudanças físicas inicialmente e, com o passar do tempo, iremos experimentar mudanças mais sutis em nossos estados mental e emocional.

Yoga é um processo no qual nos empenhamos em despertar e trazer à tona as partes mais essenciais de nosso Self. Ao utilizar a palavra essenciais, eu me refiro àquelas partes de nosso Self que são transcendentes e que não mudam com o passar do tempo.

Quanto mais nos distanciamos do que é natural ou essencial em nosso Self, mais elementos extras carregamos conosco em nossas vidas. Comemos mais do que precisamos, possuímos mais bens do que é preciso, falamos mais do que o necessário e por aí vai. Não é tanto o fato de vivermos com esses elementos extras, mas o apego e a identificação que criamos com essas coisas que são nocivos e causam sofrimento. Quanto mais forte o apego e a identificação com tais elementos extras, mais estaremos propensos a esquecer nosso Self essencial. Ter uma consciência dos aspectos essenciais do Self é, de muitas maneiras, a essência do que é a prática de Yoga.

Então, quando embarcamos no caminho do Yoga, nós começamos a praticar e viver nossas vidas de tal maneira que começamos a nos livrar desses extras.

O que você pode esperar inicialmente é que seu corpo vai começar a passar por algumas mudanças muito fortes e por vezes dramáticas, especialmente nos primeiros 6 meses de prática diária dedicada e intensa. Você vai começar a desenvolver o que se conhece por tapas, ou calor na sua prática, no seu corpo. Isso irá resultar em transpiração abundante (claro que em algumas pessoas mais do que em outras). Para alguns, o corpo exalará odores bastante fortes. A pele de muitas pessoas passa por mudanças. Podem aparecer acnes, brotoejas e afins. Em casos mais extremos, algumas pessoas podem desenvolver grandes bolhas.

Outros sintomas diversos de purificação começarão a aparecer para a maioria dos praticantes. É bastante comum aumentar a ocorrência de gripes, resfriados e febres, assim como dores-de-cabeça, sonolência e tontura. É importante aceitar e respeitar essas mudanças elas podem ser bastante profundas no seu sistema. A minha recomendação é que você tire um tempo extra para descansar e permanecer quieto. Você pode também ficar atento à tendência de ficar sempre ocupado e começar a reduzir o número de atividades do dia.

Naturalmente, pelo fato da prática de asana ser tão rigorosa, você pode esperar por mudanças drásticas tanto no seu físico como na saúde geral de seu corpo. Você vai ficar significativamente mais forte de uma maneira bastante equilibrada e integrada. Especialmente a força central do seu corpo vai aumentar. O central aqui refere-se à área do baixo tronco e regiões pélvicas. Foi demonstrado que força nessas regiões traz um dramático aumento na função de equilíbrio, suavidade de movimento e rapidez dos reflexos. É senso comum que o desempenho atlético pode melhorar significativamente pelo desenvolvimento da força central. A flexibilidade de todas as áreas de seu corpo tenderá a aumentar dramaticamente.

Outro setor que melhora e que é freqüentemente esquecido é o aumento da funcionalidade do sistema gastrintestinal. A freqüência de flexões para frente na prática de asana limpa e recondiciona profundamente os órgãos digestivos. A maioria das pessoas na nossa cultura e sociedade modernas tem algum grau de distúrbio digestivo ou intestinal devido a dietas não saudáveis e estresse. Constipação e gases em excesso acabam por se tornar a norma para a maioria das pessoas. Uma notícia afirmou que muitas pessoas carregam até 20-30 quilos de fezes não digeridas em seus corpos o tempo todo! Um sistema gastrintestinal funcionando bem é vital para o adequado funcionamento do nosso sistema imunológico e do equilíbrio hormonal. Tanto a saúde física como a mental são dramaticamente afetadas pela condição dos nossos sistemas digestivos.

Assim, umas das áreas onde podemos focar à medida que mergulhamos mais profundamente em nossas práticas é o maior nível de consciência e cuidado com o quê, quando e como colocamos comida em nossos corpos. Irei falar mais elaboradamente desse assunto em outro momento.

Então, quando você começar a tornar-se mais saudável e mais em harmonia fisicamente, vai notar que a sensibilidade dos seus sentidos irá aumentar e aguçar. Os sentidos de olfato, visão e audição vão ficar mais afiados e claros. Você vai sentir mudanças de temperatura e pressão em diferentes partes de seu corpo como nunca sentiu antes. Muitas pessoas declaram ter um aumento na sensibilidade e profundidade no paladar. Aquilo que era saboroso anteriormente se torna salgado, amargo, picante ou doce demais. Você vai se ver começando a sentir necessidade de comidas que têm sabores mais sutis ou mesmo mais simples.

O processo de purificação começará a afetar você mentalmente, emocionalmente e fisicamente. Geralmente, desequilíbrios crônicos se tornam mais agudos antes que qualquer processo de cura profunda aconteça. Você vai notar que seus pensamentos e emoções  se tornarão mais intensos e algumas vezes frenéticos, causando períodos de grande desconforto. Mau humor e acessos de irritação e impaciência são comuns durante esse período. Apesar de algumas vezes parecer que você vai ficar louco, essa etapa do processo é importante e necessária. Então não se preocupe muito com isso. Também é comum ter sonhos intensos e imaginação bastante colorida.

O resultado desse tipo de purificação mental, emocional e física é que você vai se notar cada vez mais sensível e alerta com relação ao seu próprio estado mental, assim como ao estado e energia das pessoas e ambientes à sua volta. Muitas pessoas reportam um aumento na ocorrência de experiências psíquicas (ler a mente de outras pessoas, antecipar eventos que não tinham relação, assim como um aumento na ocorrência de sincronicidade). Resumindo, você vai ficar mais sensível à energia das pessoas, lugares e coisas. Você vai ficar mais sensível àqueles aspectos da nossa realidade que permanecem escondidos ou não vistos pela maioria das pessoas. Ao longo do tempo, isso não vai parecer tão incomum para você. O que é mais estranho é como a maioria de nós pode ser tão cega e inconsciente para aspectos tão básicos de nossa existência por tanto tempo.

Mais uma vez, ao passar por esse processo, esteja certo de ter bastante respeito e aceitar as mudanças sutis e mesmo as não tão sutis que forem ocorrendo. Esse caminho do Yoga, esse caminho de purificação, é muito, muito poderoso. Você vai despertar grandes reservas de energia, vitalidade e poder interiores que você talvez nunca soubesse que tinha. Sempre que você desperta ou entra em contato com esses tipos de energias, é importante se dar conta que quanto maior o poder, maior deve ser a responsabilidade. Pela sua natureza, o propósito desse poder não é a satisfação dos seus desejos egoísticos. Na verdade, fazer isso é insensato e perigoso em muitos aspectos. Reflita profundamente e cautelosamente sobre esse processo e cuide-se bem.

Hari Om!

Govinda Kai